Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Cultura’ Category

Depois

Read Full Post »

Carta Capital entrevista Marisa Lajolo
Publicado em Observatório da Imprensa

Íntegra da entrevista concedida à CartaCapitalnº 716, 21/9/2012, da qual a edição da revista aproveitou trechos. Marisa Lajolo é doutora em Letras e professora titular do Instituto de Estudos da Linguagem, da Unicamp

Alguns dizem que censurar o livro de Monteiro Lobato (em discussão por aqui nos últimos dois anos) é uma forma de recalcar o racismo ao invés de enfrentá-lo. Seria essa uma forma de combater o racismo apenas no âmbito simbólico, uma forma de a sociedade lavar as mãos censurando um livro enquanto deveria investir na promoção de igualdade social concreta (via políticas públicas)? A senhora concorda?

Marisa Lajolo – Discutir as denúncias relativas a Caçadas de Pedrinho me parece uma boa chance de se discutir leitura no Brasil. Respeito quem acha que a obra é racista, mas também espero que respeitem opiniões contrárias. Em matéria de interpretação de arte, não acredito em verdades absolutas. Capitu traiu ou não traiu Bentinho? Bentinho tinha ou não um caso com Escobar? Os deuses mitológicos presentes em Os Lusíadas ofendem o cristianismo? A questão é contemporaníssima: a arte pode ironizar valores religiosos? Tais questões não se resolvem com leis. Resolvem-se com diálogo e com qualidade de educação, para o que são necessários professores bem formados e bem remunerados.

O que deve ser feito com uma literatura com traços preconceituosos, no caso, racistas? Ela deve ser modificada como objeto-documento, preservada na íntegra, oferecida com ressalvas? Como lidar com casos como Huckleberry Finne Caçadas de Pedrinho?

M.L. – Deve ser preservada na íntegra. Se acreditamos – como acredito – que livros articulam-se intimamente ao momento social em que foram escritos, alterar textos – ainda que com as melhores intenções – é muito ruim. É como retocar uma fotografia para “corrigir” o passado. A Rússia stanilista fez isso, “apagando” Trotsky de inúmeras fotos. Conheço a edição de Huckleberry Finn em que a palavra “nigger” foi substituída pelas palavra “slave”. Me pergunto que a diferença de sentido a substituição da palavra acarreta…

Ao contrário de Twain, que era um defensor da igualdade racial, um antirracista notório, Monteiro Lobato é reconhecidamente um autor com tintas racistas – para alguns, era um eugenista. Isso faria do livro uma situação distinta da de Twain?

M.L. – Minha opinião é diferente. Não acho que a posição assumida pelo narrador lobatiano manifesta atitudes que possam ser consideradas “racistas”, isto é, não creio que a obra literária lobatiana expresse ou propague atitudes de agressão e de desamor a negros.

Em todo o mundo, tais demandas tendem a ser aceitas e as obras, modificadas ou ao menos vendidas com uma ressalva. O Brasil está tentando se inserir nesse cenário globalizado, em respeito a legislações e acordos internacionais dos quais faz parte?

M.L. – Não acho que seja universal (“em todo mundo”) a tendência a “corrigir” obras literárias. Mas mesmo que fosse – judeus e prostitutas excluídos da obra de Shakespeare, escravos negros expulsos da Bíblia e das Mil e Uma Noites, homossexuais banidos da obra de Dante – eu seria contra. Também discordo de incluir “ressalvas” (como notas de rodapé, anotações & similares ) em livros. Elas manifestam uma vontade disfarçada de “gerenciar” a leitura, impondo certos significados (e proscrevendo outros) aos leitores. Mas as atuais – e a meu ver equivocadas – denúncias ao racismo de Lobato são uma boa chance para uma pesquisa sobre leitura: crianças e jovens que leem Caçadas de Pedrinho, ou outras obras infantis lobatianas, opinam que o livro incentiva atitudes racistas? Leitores afrodescendentes sentem-se ofendidos quando leem as histórias do Sítio? Que tipo de cidadão forma a frase final de Caçadas de Pedrinho, na qual Tia Nastácia, tomando o lugar de Dona Benta em um carrinho, proclama: “Agora chegou minha vez. Negro também é gente, sinhá…” (p.71). Será que a voz da própria Tia Nastácia, no livro, não é mais convincente do que rodapés e advertências?

Read Full Post »

Procê…

Eu posso te fazer feliz
Feliz me sentir também
Eu posso te fazer tão bem
Eu sei isso eu faço bem
Roubar-te um beijo no salão
Girar sem perder o chão
Não vou deixar você cair
Cintura leve a minha mão
Verdade – uma ilusão
Vinda do coração
Verdade – seu nome é mentira
Eu posso te fazer ouvir
Milhões de sinos ao redor
Eu posso te fazer canções
O amor soa em minha voz
Eu posso te fazer sorrir
Meus olhos brilham para ti
E os pés já sabem onde ir
Ninguém precisa decidir
Verdade – uma ilusão
Vinda do coração
Verdade – seu nome é mentira

Amar alguém só pode fazer bem
Não há como fazer mal a ninguém
Mesmo quando existe um outro alguém
Mesmo quando isso não convém
Amar alguém e outro alguém também
É coisa que acontece sem razão
Embora soma cause divisão
Amar alguém só pode fazer bem
 

Read Full Post »

Luis Fernando Verissimo para sua coluna em O Estado de S.Paulo

Até hoje tem gente que duvida que o homem chegou na Lua. Teria sido tudo encenação, tudo feito em estúdio. Em vez de um triunfo da Nasa e do programa espacial americano, um triunfo de Hollywood e seu poder de criar ilusões. Tudo propaganda, encomendada pelo governo americano para camuflar o atraso do país em relação à União Soviética na exploração do espaço. Um golpe de relações públicas, não uma conquista científica.

0 0 0

A teoria não se aguenta, claro. Uma trapaça deste tamanho demandaria uma teia de segredos e cumplicidades difícil de imaginar. A ilusão teria sido denunciada há tempo e a farsa desmascarada – pelos próprios americanos, que gostam de uma revisãozinha histórica como ninguém. Mas nenhuma versão séria da teoria da encenação apareceu. Não houve uma conspiração. A conquista aconteceu mesmo e foi admirável. Homens caminharam mesmo na superfície da Lua e até trouxeram suvenires. Mas…

0 0 0

Mas tem a questão daquela câmera. A que registrou a descida do Neil Armstrong de dentro do módulo espacial, pela escadinha, para dar o primeiro passo da humanidade num corpo celeste que não era o seu. Foi o momento mais emocionante da aventura, e a câmera estava lá, registrando tudo. Como a câmera estava lá, montada no lugar certo para não perder nada?

0 0 0

A explicação oficial foi que a câmera tinha sido ejetada de dentro do módulo e caído a alguns metros de distância na posição ideal para gravar a descida de Armstrong. Uma explicação plausível: afinal, para quem coloca um módulo na Lua com aquela precisão, colocar uma câmera de pé no lugar desejado não seria nada de mais. Mas em vez de imaginar a câmera sendo expelida do módulo com tripé e tudo, dando uma cambalhota no ar e caindo no lugar certo, imaginemos uma alternativa.

0 0 0

Imaginemos Neil Armstrong, que morreu na semana passada, com 82 anos, de problemas com o coração, usando seus últimos alentos para confessar “Foi tudo mentira…”

– O que é isso, comandante?

– A descida na Lua. Foi mentira.

– Como, mentira? Foi verdade. O senhor foi o primeiro homem a pisar na Lua e…

– A câmera. Fui eu que montei. Desci do módulo, montei a câmera no seu tripé, acertei o foco, e voltei para dentro do módulo. Depois, desci a escadinha, fingindo que era pela primeira vez. Era mentira.

– Não, comandante. Aquele foi o momento mais bonito de todos. Sem a câmera ali, a emoção não seria a mesma. Foi a mentira que tornou a verdade espetacular

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: